Oração a São José

Arautos do Evangelho-2017-0615_LS_99917

Oração a São José para antes do trabalho

(Composta pelo Papa São Pio X)

Glorioso São José, modelo de todos os que se dedicam ao trabalho, obtende-me a graça de trabalhar com espírito de penitência para expiação de meus numerosos pecados; de trabalhar com consciência, pondo o culto do dever acima de minhas inclinações; de trabalhar com recolhimento e alegria, olhando como uma honra empregar e desenvolver pelo trabalho os dons recebidos de Deus; de trabalhar com ordem, paz, moderação e paciência, sem nunca recuar perante o cansaço e as dificuldades; de trabalhar sobretudo com pureza de intenção e com desapego de mim mesmo, tendo sempre diante dos olhos a morte e a conta que deverei dar do tempo perdido, dos talentos inutilizados, do bem omitido e da vã complacência nos sucessos, tão funesta à obra de Deus!

Tudo por Jesus, tudo por Maria, tudo à vossa imitação, ó Patriarca São José! Tal será a minha divisa na vida e na morte. Amém

Exorcismo feito pelo fundador

Exorcismo. São Bento pratica o exorcismo batendo com uma vara, assim o fundador expulsa o demônio de um jovem membro dos Beneditinos. O texto é retirado do livro “Vida e Milagres de São Bento” escrito pelo Papa São Gregório Magno. Faço este post para comemorarmos Bento, o grande santo de hoje. O texto está presente na revista Arautos do Evangelho deste mês.


E com uma vara, bateu-lhe de rijo…

Em um dos mosteiros que São Bento construíra ao redor, havia certo monge que não conseguia ficar em oração. Logo que os irmãos se inclinavam nesse exercício, saía e punha-se a revolver na mente vadia coisas mundanas e transitórias.

Admoestado várias vezes por seu abade, foi por fim conduzido ao homem de Deus, que lhe increpou com veemência a insensatez; de volta, porém, ao seu mosteiro, mal conseguiu observar por dois dias a admoestação do homem de Deus; já ao terceiro, recaindo no velho hábito, entrou de novo a vaguear na hora da oração.

Quando isto foi contado ao servo de Deus pelo pai do mosteiro, respondeu aquele:

-Irei eu mesmo, e pessoalmente o emendarei.

O homem de Deus foi, com efeito, ao dito mosteiro, e na hora marcada, quando os irmãos depois da salmódia se entregavam à oração, observou que o monge que não podia ficar rezando era arrastado por uma figura preta que o puxava pela orla do hábito. À vista disso, Bento perguntou secretamente ao abade do mosteiro, Pompeiano, e ao servo de Deus, Mauro:

-Não vedes, então, quem é que puxa esse monge?

Responderam que não. Ao que retorquiu:

-Oremos para que vejais também vós a quem é que esse monge segue.

Depois de dois dias de oração, Mauro monge o viu, ao passo que Pompeiano, pai do mosteiro, não o conseguiu.

Ora, no dia seguinte, saindo do oratório depois do ofício, o homem de Deus topou com o dito monge em pé do lado de fora, e aí com uma vara bateu-lhe de rijo, por causa da cegueira de seu coração. Desde esse dia o monge nunca mais se deixou induzir por aquela figura preta, permanecendo sossegado na prática da oração, e o antigo inimigo não mais se atreveu a dominar-lhe o pensamento, como se fora ele mesmo que levara as pancadas.

Da Vida e Milagres de São Bento,

por São Gregório Magno, Papa

A resposta era a sua beleza

Perguntei à terra, ao mar, à profundeza e, entre os animais, às criaturas que rastejam, Perguntei aos ventos que sopram e aos seres que o mar encerra. Perguntei aos céus, ao sol, à lua e às estrelas e a todas as criaturas à volta da minha carne: Minha pergunta era o olhar que eu lhes lançava. Sua resposta era a sua beleza. (Santo Agostinho)

Fotos: Leandro Souza

A natureza é para todo fiel uma lição que o ensina a louvar a Deus, pois o céu, a terra, o mar e tudo o que neles existe proclamam a bondade e a onipotência de seu Criador; e a admirável beleza dos elementos postos a nosso serviço requer da criatura racional uma justa ação de graças. (São Leão Magno, papa)

Fotos: Leandro Souza