Manifestação de Deus na casa dos Arautos

Flores, montanhas, vastos panoramas, densa vegetação, grandes e pequenos animais: Serra da Cantareira! Ambiente semi-paradisíaco, onde o homem entra em constante comunicação com a natureza. Local em que Deus se comunica aos espíritos contemplativos, pintando belos pores de sol, traçando formosas nuvens e colorindo, como o melhor dos artistas, as mais formosas flores.

Por do sol na Serra da Cantareira
Por do sol na Serra da Cantareira

Dos encantos desta serra um entre todos se destaca. No rígido inverno, quando os pequenos bichos se encolhem, os animais se escondem e os homens no calor de suas moradas abrigam-se como se fora houvesse geada, as formosas Cerejeiras mostram ao mundo toda sua beleza. Cobrem seus desfolhados galhos de ricas flores, ornam de cores o ambiente gélido e desbotado, atraem para si os animais, os homens e muitos fotógrafos admirados.

Neste período de inverno, mais rigoroso que seus antecessores, não foi diferente. Na casa dos Arautos do Evangelho, intitulada Nossa Senhora da Divina Providência, as cerejeiras se ornaram com extrema beleza e muita cor.

Flor de cerejeira na casa dos Arautos do Evangelho
Flor de cerejeira na casa dos Arautos do Evangelho

Já no primeiro dia da florada, quase no mesmo momento em que as flores se abriram, os pequenos bichos, laboriosas abelhas (diria milhares e milhares de abelhas) atraídas pelo aromático néctar das flores, vieram fazer o seu trabalho. Os animais, quais pedras preciosas, foram logo reluzir junto aos atraentes buquês. Os homens, religiosos, arautos, estudados e entregues à oração e à contemplação, antes mesmo da floração as olhavam imaginando sua beleza, ansiosos por saber o quanto Deus na natureza espelharia de sua grandeza.

Cerejeiras e por-do-sol na casa dos Arautos do Evangelho
Cerejeiras e por-do-sol na casa dos Arautos do Evangelho

Finalmente aparecem os fotógrafos que meses antes já observavam as melhores ramagens, analisavam os ângulos e calculavam o horário exato para a sua fotografia, desejosos de compartilhar com o nosso leitor e com o mundo esse pequeno mas atraente reflexo da harmonia e beleza de Deus!

Não fique apenas na história. Vejam abaixo as fotos destas cerejeiras!

Gostou? Não pare por ai. Compare com as fotos tiradas nos anos anteriores:Cerejeiras em 2016

Fotos: Leandro Souza

Continue: Cerejeiras em 2016

 

Salvar

Salvar

Cristo, Sol eterno

Já vem brilhante aurora o sol anunciar. De cor reveste as coisas, faz tudo cintilar.

amanhecer no mosteiro em maranduba-2016-07-10-LS_89609

Ó Cristo, Sol eterno, vivente para nós, saltamos de alegria, cantando para vós.

Do Pai Ciência e Verbo, por quem se fez a luz, as mentes, para vós, levai, Senhor Jesus.

Que nós, da luz os filhos, solícitos andemos. Do Pai eterno a graça nos atos expressemos.

Profira a nossa boca palavras de verdade, trazendo à alma o gozo que vem da lealdade.
A vós, ó Cristo, a glória e a vós, ó Pai, também, com vosso Santo Espírito, agora e sempre. Amém.

 

 

 

Ao entardecer

O entardecer em Turris Eburnea – uma das casa dos Arautos do Evangelho na Serra da Cantareira – bem nos lembra a frase de São João da Cruz: Ao entardecer desta vida, sereis julgados segundo o amor.

Fotos: Leandro Souza

Deus em sua infinita misericórdia dá a cada homem uma alma imortal, e o torna, pelo batismo, seu filho e herdeiro, oferecendo o imerecido prêmio da glória celeste, por uma vida voltada a Ele.

Esta retribuição eterna é dada a partir do momento da morte, num Juízo Particular que coloca sua vida em relação à vida de Cristo.

Se queremos que nosso entardecer seja belo e esplendoroso amemos de coração sincero a nosso Criador, seguindo os passos do Redentor. Assim, seja passando ou não por uma purificação, receberemos o que o próprio Jesus chama de recompensa demasiadamente grande: a felicidade eterna, o convivo com Deus e os bem aventurados no Céu.

________________

Dados técnicos

Fotos de por-do-sol na Serra da Cantareira em cinco ocasiões diferentes, todas tiradas desde a casa dos Arautos do Evangelho de nome Turris Eburnea.

Tarde Vos amei!

A beleza é chave do mistério e apelo ao transcendente. É convite a saborear a vida e a sonhar o futuro. Por isso, a beleza das coisas criadas não pode saciar, e suscita aquela arcana saudade de Deus que um enamorado do belo, como Santo Agostinho, soube interpretar com expressões incomparáveis: « Tarde Vos amei, ó Beleza tão antiga e tão nova, tarde Vos amei! ». (Beato João Paulo II, Carta aos artistas)

Clique na Foto

Foto Arautos do Evangelho - Arquivo - IMG_8230Foto: Thiago Tamura

Entardecer no Seminário dos Arautos do Evangelho.