Presépios nos Arautos do Evangelho

Em uma sala escura, ao abrir das cortinas, um show de fabulosas luzes realça o movimento inusitado de imagens, primorosamente sincronizadas com uma bela e tocante narração sobre o nascimento do Menino Jesus!

É comum nos perguntarmos em um fim de ano: Qual a melhor forma de meditar sobre o nascimento de Cristo, e ter bem presente sua bondade e misericórdia para conosco?

Os Arautos do Evangelho oferecem um modo atraente, piedoso e moderno de meditar sobre o nascimento do Menino Deus: Presépio Son et Lumière.

Uma luminosa estrela corta os céus do oriente; os Reis Magos andam sobre as montanhas a procura do Grande Rei; São José bate às portas de Belém procurando um abrigo para Nossa Senhora e seu filhinho, que está para nascer!

Esses e muitos outros movimentos lhe farão sentir por alguns minutos a vida de Cristo.

Imagine que emoção ver Jesus Cristo levando a cruz ao alto do Calvário para morrer por sua salvação? Isso e muito mais é apresentado em uma tocante apresentação de 15 minutos.

Onde assistir ao esse presépio?

Eis uma lista com o endereço das casas dos Arautos onde está sendo apresentado o presépio neste 2016. Veja, mais abaixo, algumas fotos do belo e concorrido presépio dos Arautos em Campo Grande:

img-20161213-wa0012

 

 

Presépio em Campo Grande:

Fotos: Leandro Souza

 

O dia que o demônio fez um poema à Imaculada Conceição de Maria!

Em Avellino, na Itália, no ano de 1823, um menino analfabeto, de 12 anos de idade foi possuído pelo demônio.

Estavam de passagem pela cidade dois sacerdotes da ordem dos dominicanos, Pe. Bassiti e Pe. Pignataro. Sabendo da presença dos padres, e sendo informado do caso, o bispo deu-lhes autorização para auxiliar o jovem, rezando o exorcismo.

Durante a oração o Demônio, afirmou que Nossa Senhora foi concebida cheia de graça e toda de Deus. Então os sacerdotes o obrigaram, em nome de Deus, a demonstrar a veracidade da Imaculada Conceição de Maria.

Para surpresa dos sacerdotes, pela boca do menino possesso, o demônio compôs em italiano um soneto teológico e perfeitamente construído.

Conta-se que o Papa Pio IX chorou ao ler esse soneto, que contém um profundíssimo argumento de razão em favor da Imaculada Conceição de Maria, Mãe de Deus e nossa.

 

Poema:

Português:

Sou verdadeira mãe de um Deus que é filho,
E sou sua filha, ainda ao ser-lhe mãe;
Ele de eterno existe e é meu filho,
E eu nasci no tempo e sou sua mãe.

Italiano:

Vera Madre son Io d’un Dio che è Figlio
e son figlia di Lui, benché sua Madre;
ab aeterno nacqu’Egli ed è mio Figlio,
in tempo Io nacqui e pur gli sono Madre.

Ele é meu Criador e é meu filho,
E eu sou sua criatura e sua mãe;
Foi divinal prodígio ser meu filho
Um Deus eterno e ter a mim por mãe.
Egli è mio creator ed è mio Figlio,
son Io sua creatura e gli son Madre;
fu prodigo divin l’esser mio Figlio
un Dio eterno, e Me d’aver per Madre.
O ser da mãe é quase o ser do filho,
Visto que o filho deu o ser à mãe
E foi a mãe que deu o ser ao filho;
L’esser quasi è comun tra Madre e Figlio
perché l’esser dal Figlio ebbe la Madre,
e l’esser dalla Madre ebbe anche il Figlio.
Se, pois, do filho teve o ser a mãe,
Ou há de se dizer manchado o filho
Ou se dirá Imaculada a mãe.
Or, se l’esser dal Figlio ebbe la Madre,
o s’ha da dir che fu macchiato il Figlio,
o senza macchia s’ha da dir la Madre.

 

Fotos: Leandro Souza