Exorcismo, fundador dos Jesuítas em exorcismo de quatro moças

Damos continuação aos exorcismos feitos em nome de Santo Inácio, fundador dos Jesuítas. Artigo publicado na Revista Arautos do Evangelho.


Quatro damas possuídas pelo demônio (segunda parte)

São os méritos de Inácio que me expulsam”

Santo Inácio de Loyola

Outro deles começou a vomitar novas injúrias contra Inácio, a jurar que nada conseguiria expulsá-lo, a zombar da covardia de seus comparsas que haviam fugido. Mas, em meio a esses protestos, sentindo-se forçado a fugir, lançou-se de joelhos diante de um espinho da santa coroa do Salvador, venerada naquela casa, e gritou: “Se saio desta mulher, não é Inácio que me obriga, quero deixar isto claro, é este espinho, cujo poder supera o meu”. Entretanto, assim falando, ele não se afastava. Por fim, deu um espantoso grito, arrastou-se de joelhos até à imagem do Santo e lá, prosternado, disse: “Sob coação, confesso: são os méritos de Inácio que me expulsam”. E no mesmo instante deixou o corpo da infeliz.

Aconteceu o mesmo a outros espíritos infernais que, atribuindo sua derrota a um ou outro poder, acabavam sempre por reconhecer que era Inácio quem os forçava a retornar ao inferno. A cada dia as pobres possessas se viam livres de alguns desses chefes que arrastavam consigo outros na fuga. Durante um de seus bons momentos, alguém lhes deu para ler a vida de Santo Inácio e, mais do que qualquer exorcismo, esta leitura as livrava de vários demônios, os quais, falando pela boca de uma delas, diziam que preferiam fugir a continuar ouvindo a leitura deste maldito livro; e de fato a deixaram. Outros gritavam ao sair: “Oh! Deus, Vós nos privastes da glória para dála a este coxo!”

Ele a introduziu no Paraíso como filha

Afinal, após tantos sofrimentos, todas essas desafortunadas se viram livres da aflitiva possessão e recuperaram a saúde, a paz, a piedade. Em recompensa de seus longos tormentos e de sua fidelidade em meio a tão cruéis tentações, Deus lhes concedeu graças especiais, particularmente a Luíza, que recebeu o dom de oração e de união com Deus em tão alto grau que lhe parecia não poder afastar d’Ele seu pensamento, nem falar senão d’Ele. Levou a mais austera das vidas e ter-se-ia entregado a excessos se seu diretor espiritual não houvesse estabelecido limites ao seu fervor. Viveu cinco anos após esses acontecimentos e faleceu na véspera da festa de Santo Inácio, o qual, a dar-se crédito na revelação feita por um demônio num exorcismo, introduziu-a no Paraíso como sua filha.

É certo que numa manhã ela apareceu a uma de suas filhas, chamada Dória. Estava vestida de branco, brilhante como o sol. Exortou a filha a perseverar na via de perfeição que havia escolhido e, para fortalecê-la nessa decisão, contou-lhe coisas admiráveis a respeito dos Bem-aventurados.

O poder exorcístico de uma menina devota

Decorridos dois anos dos fatos acima narrados, Lívia, a mais jovem das quatro mulheres que tanto tinham sofrido, ficou possessa novamente. O primeiro sinal se manifestou por gritos violentos que os demônios a faziam dar, dizendo que Inácio não queria deixá-los em paz e recomeçava a persegui-los como antes. Entraram depois num terrível furor, arrancando os cabelos e deformando a fisionomia dessa infeliz, pronunciando em diversas línguas palavras de desespero. Entretanto, tudo isso acontecia somente na casa, pois, diziam eles, Inácio queria que ela pudesse participar em paz dos Sacramentos e ouvir na igreja a Palavra de Deus.

Ela recebia também, durante as mais violentas crises, um grande alívio por meio de uma menina, sua prima, a qual, quando a via tomada pelo furor, fazia sobre ela o sinal da Cruz e, em nome de Santo Inácio, lhe dava ordem de acalmar-se; e o demônio obedecia imediatamente, de modo que a menina, apenas segurando a mão da possessa, levava-a para onde queria. Outro demônio zombava disso, dizendo que uma formiga arrastava um elefante; mas o orgulhoso espírito que era forçado a obedecer se defendia, dizendo que ele não obedecia à menina, mas ao seu Anjo da Guarda, e neste a Santo Inácio que o enviava.

Quando os exorcismos os punham em fuga, muitos gritavam que quem os expulsava era o Anjo da Guarda de Inácio, mas a própria moça viu diversas vezes o Santo com ar grave e majestoso, tendo na mão um terrível chicote cujos golpes os demônios não podiam suportar. E assim ela foi novamente libertada.

Veja o início do artigo

Deixe um comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s